PESQUISE NO SITE
Biografia
Nossa Causa
Notícias
Projetos
Comissões
Agenda
Eventos
Conquistas
Sala de Imprensa
Na Mídia
Fala, Ana Rita
Artigos
Antes X Depois
Com a Palavra...
Áudios
Links
Denuncie
Downloads
Contato

 
Notícias     Imprimir

Cão de grande porte ganha na justiça direito de permanecer com guardião em condomínio10/06/2017 17:25
Cão de grande porte ganha na justiça direito de permanecer com guardião em condomínio
Dobermann de 8 anos vive no Residencial Busca Vida, em Camaçari

Assessoria 0 comentário          

O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), através da sua 1ª Câmara Cível, decidiu pela permanência de um cão de grande porte da raça Dobermann de 8 anos de vida e 38 quilos - considerado idoso pela idade - em um condomínio de luxo na cidade de Camaçari.

O guardião do animal vinha sendo pressionado a se retirar do Condomínio Porto Busca Vida Resort Residence, pois o residencial tem em sua convenção condominial uma cláusula que proíbe a criação de determinados cães, a exemplo de cachorros de raças consideradas naquela norma como agressivas e /ou violentas, a exemplo dos Rottweilers, pitbulls, Dobermanns, chow chows, filas brasileiro etc.


Max: cão dócil apesar da fama de agressividade da raça (Divulgação)

Diante de cláusula considerada abusiva do ponto de vista constitucional, segundo a advogada do condômino, Graça Paixão, o guardião do cão ajuizou uma ação ordinária com pedido de antecipação de tutela cumulada e reparação por danos morais em face do condomínio. “Essa é uma decisão de suma importância para a causa animal e para os guardiões de animais que vêm sendo importunados pela administração de condomínios cujas convenções condominiais são antigas, não tendo sido atualizadas à luz dos avanços jurídicos e sociais, ético e filosóficos", comemorou a defensora.

A desembargadora Maria da Graça Pimentel, relatora do processo, deferiu a liminar que proibia a aplicação de sanções contra o tutor do animal.

A Ação foi instruída com o parecer jurídico da especialista Ana Rita Tavares, que ataca as convenções condominiais que discriminam os animais por raça, já que os tribunais decidem com base em cada caso, buscando avaliar se há perigo para a saúde, o sossego ou segurança de condôminos ou outros animais. "Mesmo sendo bravio, o animal não deve ser retirado do local, mas sim notificado o guardião para exercer a guarda responsável, adotando medidas preventivas para a condução do animal (focinheira, peitoral etc). Se fosse assim, todas as pessoas mal humoradas seriam isoladas da família. No caso de Max, o cão é dócil e convive pacificamente em todos os ambientes".

Caso o condomínio não cumpra a decisão, será aplicada uma multa diária de R$ 500. Após indeferimento da liminar pela juíza de 1º grau, foi interposto agravo de instrumento requerendo a concessão de tutela de urgência de modo a garantir a permanência do cão Max no Condomínio.

Ainda de acordo com a advogada do caso, as clausulas abusivas do condomínio baseiam-se em suposições genéricas, sem qualquer fundamentação cientifica ou dado da realidade, em preconceitos em relação a raças de cães que são estigmatizadas ou mesmo, em dificuldades pessoais na relação com animais. Tais normas condominiais protegem-se a partir de percepções equivocadas nas relações coletivas, como no caso das regras de convivência comunitária. Portanto, trata-se de norma genérica, sobretudo quando o animal não oferece risco à saúde, tranquilidade e segurança dos demais condôminos", observa Graça Paixão.



​Para a também advogada da causa, Carolina Busseni, “o TJ-BA, ao autorizar a permanência do cão Max no Condomínio onde vive com seu tutor, demonstra que está na vanguarda do festejado Direito Animal. Os animais não humanos são seres sencientes, sujeitos de direitos que devem ser resguardados pelo poder judiciário.”
  
As duas advogadas concordam que a cláusula proibitiva da convenção condominial fere preceitos constitucionais, a saber: o direito de liberdade, o direito de propriedade, o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, o direito dos animais. "Constitucionalmente, sendo comum no passado, e ainda em alguns casos atuais, convenções condominiais que, equivocadamente, proíbem os moradores de terem animais de estimação no condomínio, devendo portanto ser adequada aos novos paradigmas sociais e jurídicos”, completa Busseni.


Notícias Relacionadas

  • Vereadora Ana Rita Tavares orienta moradores de condomínio sobre direito de vizinhança

  • Cães e gatos maltratados são retirados de abrigo


  • ComentáriosComentar Notícia

    Ainda não existem comentários para esta notícia.
    Seja o primeiro a comentar!


      Últimas Notícias

    Ana Rita Tavares cobra ao Centro de Zoonoses assistência aos animais de rua de Salvador

    ​Cão mantido em situação de maus tratos é resgatado em casa de bairro de luxo em Salvador

    Câmara Municipal de Salvador concede título de cidadã baiana a apoiadora da causa animal

    Acusado de matar cães e ameaçar seus guardiões em Central (BA) presta depoimento à polícia

    Mais Notícias



    Mais Lidas

    Protetores de animais pedem serviço de atendimento móvel de urgência em Salvador

    Projeto de Ana Rita, Castramóvel já está pronto para funcionar

    Câmara de Salvador aprova projeto para a criação de hospital público veterinário

    Prefeitos de Salvador e Porto Alegre discutem implantação de Secretaria dos Animais


    Gabinete
    Edf. Sul América - 7º Andar
    Travessa D'Ajuda, 39 - Centro
    Salvador-BA - CEP:40020-030
    Telefone: 71 3320-0297
            

    Assessoria de Comunicação
    (71) 3320-0195